ABCE – Aprendizagem por Busca, Colaboração e Emoção

APRENDIZAGEM POR BUSCA, COLABORAÇÃO E EMOÇÃO 

 

Sigla do Projeto de Pesquisa: ABCE

Professores-pesquisadores:

Descrição do Projeto

Como as tecnologias podem auxiliar na (re)descoberta do prazer na aprendizagem?

Atualmente, podemos perceber que através da leitura de notícias, assistindo filmes e séries, jogando, utilizando diversas plataformas e aplicativos de comunicação e colaboração, vamos aprendendo a medida que interagimos cada vez mais dentro dessas ferramentas. São formas de aprender onde muitas vezes nem nos damos conta deste processo construção do conhecimento. Ao mesmo tempo em que utilizamos massivamente as ferramentas de busca, dentro das mais diversas situações em nosso dia a dia, para explorar os resultados e interagir com o conteúdo buscando uma aprendizagem mais fluida e dinâmica. Porém, ainda temos o que avançar em algumas perspectivas.

Como então dar suporte para que as ferramentas de busca possam ser melhoradas para apoiar o processo de aprendizagem (Busca como um Processo de Aprendizagem – Searching as a Learning Process)? Como a tecnologia pode apoiar na organização do conteúdo e atividades de aprendizagem, no nível adequado de complexidade desejada ao longo do tempo? Como trabalhar tecnologicamente as questões de engajamento/motivação na aprendizagem, mas de forma que haja um aprendizado significativo sem sobrecarga dos participantes? Como estimular as trocas de conhecimento e atividades colaborativas no processo de aprendizagem por meio de tecnologias?

Dentre os temas e tópicos de interesse do grupo contextualizados nesta iniciativa estão:

  • Busca como um processo de aprendizagem
  • Tecnologias educacionais e fluxo, motivação, engajamento, narrativas e emoções
  • Complexidade da informação e visualização de informação na Educação

Candidate-se a este projeto se há interesse…

  • Em soluções inovadoras de acesso à informação (por exemplo, ferramentas de busca, recuperação da informação, navegação da informação, visualização da informação, hipertexto/hipermídia) aplicadas a Educação
  • Em tecnologias semânticas, dados abertos e dados conectados, aplicadas a Educação
  • Em tecnologias sociais (p. ex., plataformas de redes sociais), análise de redes complexas e suas aplicações aplicadas a Educação
  • Em tecnologias afetivas (p. ex., análise de sentimentos, narrativas, engajamento, motivação, emoção) na Educação
  • Em tecnologias e aplicações de troca de informações, experiências e colaboração na Educação

Grupo de pesquisa SaL: Semantics and Learning (https://sal.uniriotec.br)

Quem já participa desse grupo de pesquisa: Participam atualmente de pesquisas associadas ao grupo SaL (Semantics and Learning): 4 professores-pesquisadores (3 do PPGI-UNIRIO), 8 alunos de doutorado e 5 alunos de mestrado. O grupo tem parcerias com pesquisadores da UNIRIO, UFJF, UNISINOS, UFAM, ANU-Austrália, L3S-Alemanha e UPT-Romênia.

Por que eu deveria me interessar por este projeto/formação? O grupo de pesquisa atua há anos nas áreas de Informática na Educação, Sistemas de Informação e Web, com dissertações e teses premiadas e colaborações relevantes. Venha participar do grupo, no avanço do estado-da-arte e estado-da-prática em tecnologias educacionais. A formação de mestrado e doutorado no PPGI-UNIRIO envolve pesquisa, docência e inovação.

Perfil do Aluno:

O aluno deve ser dedicado, comprometido com sua formação e com a(s) pesquisa(s) a ser(em) desenvolvida(s). O período em disciplinas geralmente demanda cerca de 12 horas semanais em sala de aula, além dos estudos extraclasse (que dependem do ritmo do aluno, mas é comum ser necessário pelo menos o tempo equivalente ao das aulas). Deste modo, um planejamento razoável para uma boa formação no mestrado e/ou doutorado neste projeto seria algo em torno de 30 horas semanais de dedicação. Espera-se que os alunos tenham um bom gerenciamento de seu tempo.

A pesquisa demanda estudos aprofundados sobre o estado-da-arte e o estado-da-prática em determinados assuntos, implicando em muita leitura de textos técnicos em inglês e desenvolvimento tecnológico. Deste modo, o aluno deve ser motivado para estudos aprofundados nos temas da pesquisa e empenhado em contribuir para a área. A proposta de solução precisará ser avaliada, então é esperado que o aluno seja capaz de desenvolver a solução e aplicá-la em contextos específicos, de modo que possa extrair e obter informações sobre a solução na prática e analisar criticamente os resultados. Finalmente, o aluno também deve divulgar os resultados parciais e finais da pesquisa, então é importante a capacidade de escrita (em português, mas desejável também em inglês).